[ editar artigo]

Indicação | Makunaimã: o mito através do tempo

Indicação | Makunaimã: o mito através do tempo

 

 Makunaimã: o mito através do tempo é uma peça em dois atos que tem como objetivo ressuscitar um dos grandes  ícones do movimento modernista: Mário de Andrade. 

O livro convida o leitor a repensar o fazer artístico e os direitos indígenas no Brasil. Vale lembrar que a obra foi uma construção coletiva e que diálogou com os porta-vozes do mito de Makunaimã, proveniente da cosmovisão dos povos taurepang, macuxi e wapichana (habitantes originários do que hoje conhecemos como Roraima). 

 Com 50 anos após o lançamento do filme Macunaíma, dirigido por Joaquim Pedro de Andrade, o livro recebeu do extinto Ministério da Cultura, no final de 2018, o Prêmio de Incentivo à Publicação Literária 100 Anos da Semana de Arte Moderna de 1922  

ATO 1


No ato 1, Mário de Andrade é despertado por um grupo de indígenas, artistas e intelectuais que critica e ora louva aspectos de seu grande romance durante um evento na Casa Mário de Andrade, no bairro da Barra Funda. O autor volta do Além para entender o que está ocorrendo ao ouvir, “Se Mário tivesse ido até lá conversar com os povos, teria escrito outra história. A forma como ele fez, misturando tudo, é um chamado de guerra!”, afirmação de Laerte, escritor indígena de renome internacional. “Por que não podemos dizer abertamente que Mário era preto, que ele era gay?”, provoca o poeta-filósofo negro Marcelo Ariel. A discussão sobre temas dessa natureza mantém o leitor preso a um fio que é reflexivo, denso e cômico ao mesmo tempo, e o leva a revisitar e atualizar os temas centrais da obra de Mário e da literatura brasileira.

Ato 2

No ato 2, a obra traz à tona os riquíssimo registros orais do mito de Makunaimã em três momentos históricos: nos trechos da obra do etnógrafo Theodor Koch-Grünberg, publicada em 1917 em alemão (fonte utilizada por Mário para escrever seu maior romance), a partir de entrevistas com Akuli Taurepang; na narração do filho de Akuli, Bento, recolhida por antropólogos nos anos 1990 (inédita); e na voz de Avelino Taurepang, neto de Akuli, que contou sua versão do mito durante o evento de comemoração dos noventa anos do lançamento de Macunaíma, realizado em São Paulo em 2018. Comparar as texturas do mito através do tempo é um prazer único que o livro proporciona. Importante dizer que, até 2018, Avelino (líder Taurepang) sequer sabia da existência do famoso livro de Mário de Andrade. Assim, o evento transmutado em livro ganha ares de retratação histórica.
 A autoria é uma questão central em Makunaimã: o mito através do tempo. Quando uma obra se origina da tradição oral, como atribuir-lhe um único autor? A discussão que perpassa o livro ganha contorno de conclusão na opção feita pela curadora e escritora Deborah Goldemberg ao manter a autoria do texto reunido e “posto no papel” por ela como autoria coletiva, à luz do que as oficinas de copistas faziam na Idade Média. Os direitos autorais foram direcionados aos índigenas participantes do evento, alinhados a essa proposta. O livro conta ainda conta ainda com belíssimas ilustrações do artista macuxi Jaider Esbell, ganhador de prêmios internacionais como o PIPA, e projeto gráfico do estúdio Arquivo. Makunaimã: o mito através do tempo teve seu pré-lançamento em julho de 2019 durante a Festa Literária Pirata das Editoras Independentes (Flipei), programação paralela à Festa Literária Internacional de Paraty (Flip).

 

 

Comunidade Pitch Literário
Ler conteúdo completo
Indicados para você